Muitas pesquisas sobre os benefícios para a saúde com a ingestão de vinhos e espumantes são realizadas, havendo comprovações científicas de que a bebida influencia positivamente na prevenção de doenças, funcionamento cardiovascular e até contra o envelhecimento, a partir de reações químicas realizadas por compostos antioxidantes. Entretanto, um grupo de atletas, profissionais e amadores, mostra que o vinho também pode ser um incentivo para melhorar a saúde a partir de um esforço físico, ao participarem da WINERUN, meia marotona que ocorre entre os parreirais e vinícolas do Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves. Em sua 5ª edição, no dia 21 de maio de 2016, reuniu centenas de atletas nas categorias individual e duplas, masculino e feminino, que aliam o esporte e saúde com a magia do vinho e do espumante da Serra Gaúcha.


Na largada em frente à vinícola Gran Legado e chegada  na Igreja das Almas, ambas na linha Leopoldina, pude conferir a alegria e entusiamo de corredores, torcedores, voluntários e organizadores, com uma incrível recepção para todos ao fim do trajeto, com degustações de vinhos, espumantes e comidas típicas da região. A responsável pela organização da Winerun, Sônia Machado, representando as empresas Zenith e Adega, apesar da correria para garantir que tudo ocorresse conforme o planejado, foi muito atenciosa, mostrando-me toda a estrutura do evento.


A LARGADA E O PERCURSO


Com muita descontração os atletas iniciaram o percurso demonstrando disposição para esquentar o corpo, pois não se pode dizer que estavam trajados corretamente para enfrentar o frio daquela manhã. Ao longo do percurso barracas com voluntários e paramédicos dariam toda a atenção e segurança aos atletas, assim como na chegada.


A CHEGADA – Grande estrutura para recebimento dos atletas e convidados


Ao contrário dos anos anteriores, nos quais a recepção e festa de encerramento ocorreram no campo de futebol ao lado da Capela das Almas, a instabilidade do tempo este ano fez com que este momento ocorresse num grande ginásio ao lado da Capela, fato que, no meu entender, não tirou o brilho da festa.


Os serviços de recepção e apoio aos atletas e convidados foram feitos por voluntários, entre eles colegas de minha turma de Viticultura e Enologia, que aproveitaram o momento para interagir com profissionais das vinícolas envolvidas, curtir a festa e exercitar a ação do voluntariado.


Mesas com suprimentos de reidratação e alimentação e acomodação dos participantes espalhavam-se pelo salão, próximas às bancadas das vinícolas que ofereciam espumantes para a degustação, e de cozinheiros das colônias, que preparavam e serviam comidas típicas italianas, sobretudo massas e polenta. Entre eles, um senhor com uma enxada e uma abóbora gigante que simulavam um pau de selfie e uma filmadora, alegrava os participantes com muito simpatia. Grande união entre o esporte, o vinho e as festas coloniais comuns na Serra Gaúcha.



A FESTA


Aos poucos, os convidados e os primeiros atletas chegam ao salão, e até o fim da manhã o local está lotado, e o clima de descontração com as torcidas “organizadas” esperando o seu corredor e demais participantes toma conta da Winerun. Apesar da multidão, organização e cordialidade imperam, mantendo a harmonia e tranquilidade que encontrei quando o salão estava praticamente vazio.

 




Nesta foto uma menção especial à duas duplas (revezamento), entre elas, da esquerda, Simone Rossato, doutora e professora do curso de Viticultura e Enologia do IFRS, que sempre participa dos eventos esportistas que ocorrem na região. Excepcional professora, respeitada e querida pelos alunos, também é fera quando o assunto é saúde.

 


Assim, fica a dica a todos os amigos que acompanham a Adega do Chamon e gostam de correr, agendem sua participação na Winerun 2017, pois lhes garanto que será um momento inesquecível. De minha parte, como não sou bom de corrida, acompanharei o evento para mostrá-lo novamente no Blog, se Deus quiser.