Na primeira reunião de 2016 da Confraria I‘Bei, degustamos cinco vinhos da variedade Alvarinho, originária do norte de Portugal e Galiza (Espanha). Considerada uma das mais importantes cultivares brancas de Portugal, é a base para a produção do Vinho Verde Português, famoso pelas suas qualidades aromáticas e organolépticas. Os cinco exemplares harmonizaram perfeitamente com o maravilhoso bacalhau servido pelos anfitriões Nico e Fernanda Barbieri.


Como tem acontecido em muitos encontros em que participo, e de outras confrarias das quais tenho notícia, o representante do Brasil foi escolhido o melhor da noite, em uma avaliação técnica, pelo conjunto de aromas frutados e toques de baunilha e nozes, provenientes do carvalho, paladar persistente, com ótimo sabor e acidez, e uma bela coloração amarelo ouro também influenciada pelo carvalho. O que valoriza a posição do Quinta do Seival 2013 da Miolo (uvas provenientes do Pampa gaúcho) é a alta qualidade e procedência dos demais vinhos degustados na noite, sendo um uruguaio, dois portugueses e um espanhol, todos da safra 2013.