Há um tempo não degustava o vinho Rio Sol, da Fazenda Santa Maria, de Petrolina – PE. Em maio passado estive em Vitória, agora como turista em minha linda cidade natal, e em um jantar da grande família libanesa, regado a pratos árabes e brasileiros, como galo na panela e até chouriço mineiro, um dos presentes abriu Rio Sol Reserva 2013, um corte das uvas Cabernet Sauvignon, Syrah e Alicante Bouschet, com seis meses em barrica de carvalho francês. Sinceramente, esperava um vinho agradável, mas fiquei surpreso com a estrutura deste legítimo representante do nordeste brasileiro. Corpo médio, demonstrando boa presença de extrato seco, taninos redondos para um vinho jovem, e ótima acidez, o que o torna bastante gastronômico, harmonizando com todas as comidas temperadas e fortes que comíamos. No aroma domínio das frutas vermelhas e pretas, pimenta do reino e defumado, e um leve toque de carvalho, dando complexidade, mas sem mascarar as características das cultivares utilizadas. Lamentei não haver outra garrafa, pois para mim não haveria necessidade de se degustar outro vinho naquela noite.