Acredito que por ser um híbrido das uvas Teroldego (taninos e acidez vivos e muito tintória), e Merlot (aveludada e aromática), a variedade Rebo, criada pelo italiano Rebo Rigotti em 1932, produz vinhos que aliam complexidade, corpo e leveza, o que faz com que seja uma das mais surpreendentes cultivares que conheci nos últimos 10 anos. O exemplar Specialitá Rebo 2014 da vinícola Barcarola, sobre a qual publiquei matéria na seção Vinícolas, por ser um vinho jovem apresenta coloração negra no meio e violácea nas extremidades, da Teróldego, mas paladar macio, com taninos e acidez equilibrados da Merlot. O aroma, apesar de não passar por carvalho, é complexo, pois mescla frutas vermelhas e pretas com um leve herbáceo, que o torna capaz de harmonizar com diferentes tipos de comida. O último que degustei foi na casa do casal de amigos João dos Santos e Letícia Del Ré, acompanhados de minha mãe, dona Boneca, os pais de João, senhor Silvio dos Santos (que fez o churrasco, pois João me enganou dizendo que o cozinheiro seria ele) e a senhora Sivia Maria Lysiak, e sua tia Márcia Maria Lysiak. O termômetro marcava 2° em Bento Gonçalves e o Rebo da Barcarola ficou perfeito com um excelente churrasco de costela de boi (ou de gado, como dizem no RS) e de ovelha.