Degustação: 19/08/2018

A Leone di Venezia realiza um trabalho diferenciado na serra catarinense, de alta qualidade técnica em termos enológicos, entretanto, o foco do proprietário Saul Bianco é elaborar vinhos de uvas sobrematuradas, o que resulta em elevada graduação alcoólica, acidez baixa e taninos macios (polimerizados no próprio fruto), aroma e paladar compotados, de frutas passificadas. Trata – se de uma tipicidade/estilo do Novo Mundo, que não me agrada. Gosto do estilo clássico, com taninos e ácidos vivos, menos álcool e açúcar residual, gastronômicos, de guarda, derivados de uvas com boa maturação fenólica e tecnológica, mas colhidas antes da passificação.


Apesar da sobrematuração imposta à Montepulciano na Leone di Venezia, a grande concentração em taninos e ácidos desta cultiva italiana, possibilita um vinho encorpado, estruturado, com maior presença destes compostos, indo ao encontro do meu paladar, sendo o vinho que mais aprecio desta vinícola, gastronômico, alia a complexidade e o frescor de um vinho de clássico. Ainda jovem, tem grande potencial de guarda. Parabenizo a Leone di Venizia por este grande exemplar da enologia brasileira.