Nominar o corte de Merlot, Tannat e Marselan 2009 de IRIDIUM, metal extremamente duro e resistente a ataques químicos e à temperatura, foi a forma de João Carlos Taffarel e Christian Ferrari, enólogos da Cave Antiga, representarem as características deste vinho. Ao comprá-lo, em visita à vinícola na companhia do amigo Taffarel, perguntei – me se seria capaz de confirmar esta correlação ao degustar. Ao abrir a garrafa percebi que seria tarefa fácil.


Se o seu paladar se encaixa aos vinhos leves e ligeiros, fáceis de beber, com fundo de boca adocicado e macio, como boa parte dos rótulos chilenos e argentinos, com extrato seco baseado em proteínas, e não em ácidos e taninos, garanto-lhe que ainda não está preparado para este vinho. Sua potência e corpo demandam experiência e capacidade de entendimento do enófilo, pois todos os sentidos são exigidos em sua totalidade.


Trata-se de uma “criança” de 8 anos, longe de atingir a sua maturação ideal. De coloração rubi escura intensa, aerado no decanter uma hora antes do serviço, apresenta de imediato um excelente aroma secundário mineral (querosene), acompanhado de frutas negras maduras e um leve carvalho. Aromas terciários de frutas secas se mostram, mas ainda em pequena proporção, demonstrando seu potencial de amadurecimento. Mas é no paladar que este vinho mostra sua estrutura e força, com taninos e acidez vivos, marcantes, com fim de boca persistente. Equilibrado, empolgante e misterioso, com a complexidade que se espera dos grandes vinhos, que possibilita avaliações distintas de acordo com o degustador.