Degustar o Chardonnay 2016 da Casa Venturini, de Flores da Cunha – RS, além de um momento agradável degustando um bom vinho com minha mãe, a Dona Boneca, foi muito didático, pois uma vez mais pude comprovar a influência da uva no resultado final do vinho. A Casa Venturini é conhecida por vinificar um Chardonnay encorpado (se podemos dar este conceito a um vinho branco), de uvas com boa maturação, provenientes de Santana de Livramento, região Sul do RS, na Campanha Gaúcha, que resultam em um vinho de coloração amarelo ouro intenso, com aromas de frutas brancas maduras e compotas, com boca macia, mas persistente e de grande volume. Por conta das fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul na safra de 2016, claramente a maturação, em determinados lugares, não atingiu os patamares de outros anos, o que impactou nas características finais dos vinhos.


Este Chardonnay 2016 ficou diferente dos seus pares anteriores. Coloração verde bem clara, aromas cítricos de limão, e uma boca menos volumosa, mas muito agradável, com boa acidez e frescor. Ao contrário dos anteriores, que se encaixavam com frutos do mar temperados e densos, dourados na manteiga, este harmoniza melhor com ostras, moqueca capixaba, leves e frescos. O interessante é que apesar das dificuldades que certamente enfrentaram para a elaboração deste exemplar, a competência dos enólogos da Venturini tornou possível a vinificação de um vinho equilibrado e agradável.