Mais uma preciosidade oferecida pelo amigo César Luis Pretto, em um jantar em seu sítio no Vale dos Vinhedos. Em perfeito estado de maturação, sem qualquer traço de oxidação ou redução prejudiciais, além de mim e do anfitrião, os demais sortudos, que degustaram este Cabernet Sauvignon Dom Candido 1997, foram a minha mãe, dona Boneca, e o amigo Evair Carraro, proprietário da vinícola Michelle Carraro. Como sabemos, as reações químicas de ésteres, antocianinas, taninos, ácidos, e demais compostos presentes no vinho transformam o seu visual, olfato e paladar ao longo dos anos, exigindo maior esforço de quem o degusta para compreendê-lo. Ao invés de descrever as características encontradas por mim e pelos confrades, prefiro dizer que foi um dos melhores vinhos que degustamos em nossas vidas, o que me obriga a relembrar que somente diz que o vinho brasileiro não tem potencial de envelhecimento, quem nunca teve a oportunidade de degustar as maravilhas que eu já degustei.